Ataque ao islam ou Islão a nu – Para tomar consciência do terror islâmico e o atacar

Aiatolas assassinam secretamente

Posted by ombl em Outubro 26, 2010

Irã Executa Prisioneiros Secretamente na Prisão de Vakilabad

(25 de outubro de 2010). O Poder Judiciário do Irã deve interromper imediatamente as execuções na Prisão de Vakilabad em Mashad e dar uma resposta transparente às alegações de um excessivo número de execuções em suas instalações, disse hoje a Campanha Internacional para os Direitos Humanos no Irã.

A Campanha continua a receber relatos verdadeiros de ex-prisioneiros de Vakilabad sobre execuções de reclusos sem aviso prévio. Fontes confiáveis indicam que numerosas execuções foram realizadas dentro da prisão de Vakilabad no ano passado e mais de 600 detentos permanecem no corredor da morte.

As autoridades disseram ter executado dez detentos em Vakilabad na terça-feira 12 de outubro. O número de execuções anunciadas publicamente pelas autoridades são consideravelmente mais baixos do que os números reais. A Anistia Internacional relata que pelo menos 388 execuções tiveram lugar no Irã em 2009.

“Esses relatos de execuções em Mashad indicam que o Irã está executando bem mais pessoas – dramaticamente mais – do que revelam”, disse Aaron Rhodes, porta-voz da Campanha.

“Diante da falta de transparência do governo iraniano sobre as execuções, o Judiciário precisa dar um relato completo do que está acontecendo dentro do corredor da morte de Vakilabad”, acrescentou.

Autoridades não divulgam estatísticas sobre a aplicação de penas de morte, os nomes de centenas de prisioneiros executados a cada ano, ou os crimes pelos quais foram condenados. Vários ex-presos Vakilabad informaram que os funcionários tentam limitar as informações sobre execuções de presos.

“As famílias, advogados e presos não só não recebem qualquer decisão por escrito relacionadas com a execução, como também não têm idéia de quando as execuções serão realizadas, e muito menos admitem a presença da família durante as execuções”, disse um ex-prisioneiro de Vakilabad a Campanha sobre execuções na instalação. “Os corpos são entregues no dia seguinte, depois que as famílias pagaram o custo da corda [usada no enforcamento]”, acrescentou.

“Quando [os funcionários] realizam as execuções, os telefones de prisão são cortados por cerca de 4 horas de modo que ninguém possa comunicar a notícia ao mundo exterior. Os estaleiros são evacuados, e [quase] todos os presos são transferidos para dentro da enfermaria “, disse o ex-prisioneiro. “Neste momento todos sabem que é hora de execuções. Ninguém sabe de quem é a vez, até que os nomes são lidos em um alto falante por funcionários do presídio e os guardas removem os presos da ala”.

“Estamos preocupados pois, se estas execuções estão de fato ocorrendo em Mashad, o mesmo deve estar ocorrendo também em outras prisões”, afirmou Rhodes.

Fontes da Campanha informaram que dentro da prisão os funcionários são autorizados a atender procedimentos de pré-execução. “Asim que as execuções são realizadas, nomes e números de presos são revelados e os outros presos ficam sabendo o que aconteceu com”.

Um ex-prisioneiro descreveu as execuções no final de outubro de 2009. “Eu estava na ala 61 quando vi o número de pessoas que seriam executadas (46) com meus próprios olhos. Eu vi o ritual de purificação religiosa, quando eles escreviam suas vontades. Após esses procedimentos, eles foram transferidos para o local onde foram executados”.

De acordo com várias fontes, a maioria dos prisioneiros no corredor da morte de Vakilabad foram condenados por crimes relacionados com narcóticos. Alguns relataram que foram torturados e forçados a fazer confissões, mas os juízes que participam dos julgamento ignoram seus esses relatos de coerção física.

Ahmad Ghabel, um erudito religioso e crítico do governo, foi detido na prisão de Vakilabad. “Pelas minhas contas, durante três meses foram mais de cinquenta pessoas [executadas]”, disse Ghabel à Campanha. “Quando eu digo mais de cinqüenta, é porque não quero errar a quantidade por uma única pessoa. Se eu levar em consideração relatos de, talvez os números superem isso”.

“Parece-me que, a fim de evitar um grande alvoroço internacional sobre o assunto, [os funcionários da prisão Vakilabad] fazem isso em silêncio e não fazem nenhum anúncio sobre as execuções”, acrescentou Ghabel.

Após sua liberação em junho, Ghabel falou publicamente sobre estas execuções secretas. Em 08 de setembro de 2010, Ghabel foi convocado para os Tribunais Revolucionários da Fariman e detido. Ghabel mulher disse à campanha que eles acreditam que as autoridades o detiveram em resposta às suas declarações sobre as execuções na prisão Vakilabad.

Em março de 2010, durante a Revisão Periódica Universal das Nações Unidas pelo Conselho de Direitos Humanos, vários Estados membros da ONU, incluindo Brasil, Alemanha e Eslováquia, defenderam a tese de que u o Irã imponha uma moratória geral sobre a pena de morte. Em dezembro de 2010, a Assembléia Geral da ONU na Resolução 64/176 expressou preocupação com “a alto e contínuo aumento da taxa de execuções levadas a cabo na ausência de salvaguardas internacionalmente reconhecidas” e instou o Irã a abolir as execuções públicas, a execução de menores, e as execuções por apedrejamento.

O Irã é a nação que executa o segundo maior número de indivíduos por ano no mundo, perdendo apenas para a China, e tem a maior taxa per capita de execuções. O número de execuções aumentou dramaticamente sob a administração de Ahmadinejad. Em 2005, quando assumiu o cargo, o Irã executou 86 prisioneiros, e este número subiu para pelo menos 388 em 2009.

fonte: http://www.iranhumanrights.org/2010/10/executions-vakilabad/

Outra voz da besta: “É o dever de todos aqueles que são sinceros em seu desejo de defender o Islã(maldade) e os muçulmanos(bandidos) hoje, de ter a iniciativa de cumprir com as obrigações da jihad(do diabo ou maldade)”. Adam Gadahn.

Um porta-voz da Al-Qaeda nascido nos EUA incitou neste sábado, 23, muçulmanos que vivem nos Estados Unidos e Europa a promover ataques, o que chamou de um dever e obrigação.

Em um vídeo de 48 minutos de duração postado em sites militantes, Adam Gadahn direcionou o se apelo a imigrantes muçulmanos que morem no que ele chamou de “subúrbios miseráveis” de Paris, Londres e Detroit, assim como àqueles que estejam viajando ao Ocidente para estudos ou a trabalho.

“É o dever de todos aqueles que são sinceros em seu desejo de defender o Islã e os muçulmanos hoje, de ter a iniciativa de cumprir com as obrigações da jihad… atacando os interesses dos Cruzadores Sionistas”, disse, referindo-se aos interesses do Ocidente e de Israel.

Gadahn, que tem sido procurado pelo FBI desde 2004, também procurou descreditar tentativas dos líderes dos muçulmanos moderados de abafar o “despertar da jihad”.

Ele falava em árabe no vídeo, que foi disponibilizado pelo site americano Intelligence Group, que monitora atividades extremistas.

Gadahn cresceu em uma fazenda na Califórnia e se converteu ao islamismo antes de se mudar para o Paquistão em 1998 e declaradamente participou de um treinamento em um acampamento da Al-Qaeda.

Dawud Walid,, diretor executivo do Conselho de Relações Americanas-Islâmicas, chamou o vídeo de Gadahn “uma tentativa desesperada or atenção” que será ignorada na área de Detroit – lar de uma das maiores comunidades muçulmanas nos EUA.

“Eu vejo de pouca a nenhuma chance de tal sentimento se enraizar em Detroit… Não somos um grupo de pessoas que se sentem impotentes”.

“Se alguma comunidade muçulmana cresceu com engajamento cívico e poder, seria esta comunidade. Ele invocou a população errada para tentar atiçar”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: